Você sabe quanto custa um dia não produtivo na sua granja?

Você sabe quanto custa um dia não produtivo na sua granja?

Na indústria, um dos principais indicadores de produtividade é o nível de uso da capacidade instalada – quantidade máxima de itens que as máquinas da fábrica são capazes de produzir. Quando se produz menos do que essa quantidade, temos a chamada capacidade ociosa – situação que nenhuma indústria gosta de estar, pois representa desperdício de recursos e redução da lucratividade.

Na suinocultura, capacidade ociosa também é um problema. A diferença é que no lugar das máquinas, temos as matrizes. Saber exatamente o quanto elas estão produzindo e o quanto podem produzir é fundamental para que o produtor aumente seus lucros. Para evitar desperdícios, convidamos você a analisar com cuidado o índice de Dias Não Produtivos (DNP), que nada mais é do que a soma dos períodos nos quais as fêmeas ativas não estão em gestação ou em lactação.

DNP é prejuízo

Do ponto de vista do negócio, dias não produtivos são prejudiciais à produção, já que durante esses dias os animais seguem ingerindo ração, ocupando espaço e demandando mão de obra e produtos veterinários. Tudo isso sem entregar nada em troca, o que significa capacidade ociosa na granja.

Tecnicamente, um alto índice de DNP tem relação direta com uma ou várias das seguintes situações: Intervalo Desmame Cobertura (IDC) acima do normal; matrizes vazias (paradas); repetições de cio; abortos; falsa prenhez; mortalidade e descarte de fêmeas, entre outras. Essas situações influenciam o número de partos por fêmea ao ano (PFA) que, por sua vez, impacta diretamente o principal indicador de eficiência reprodutiva: o total de leitões desmamados por fêmea ao ano (DFA).

DNP é perda

Se existem várias causas para dias não produtivos, é importante que você conheça todas elas, por meio de informações qualificadas e sistematizadas, e questione qual impacta mais o seu negócio. Para responder a essa pergunta, avaliaremos uma granja produtora de leitões de 7 quilogramas, com 660 matrizes, que atingiu média de 29,81 desmamados por fêmea ao ano (DFA), com uma remuneração, também média, de R$ 95,00 por leitão.

Antes de analisar o custo das causas, precisamos traduzir um DNP em leitões desmamados. Para isso, basta dividir o DFA por 365 dias e vamos obter o número de leitões que uma matriz ativa produz a cada dia. Nesse exemplo, a divisão de 29,81 por 365 resulta em 0,0817 leitão. Se cada leitão gera R$ 95,00, é fácil concluirmos que o custo de cada dia não produtivo é de R$ 7,76 (0,0817 X R$95,00). Dinheiro que deixa de entrar no caixa da granja a cada DNP!

produtividade

 

Com essa informação em mãos, será possível identificar os reais desperdícios. Assim, ao observar os índices zootécnicos da granja, é importante identificar qual foi o tipo de evento que gerou maior quantidade de dias não produtivos – aborto, repetição de cio, descarte de gestante, etc. A partir desse mapeamento, o gestor poderá avaliar quais ações de melhoria permitirão um retorno maior de faturamento.

Na prática

O DNP nos ajuda também a mensurar o impacto dos eventos zootécnicos que o geraram. Por exemplo: na granja citada acima, qual impacto de uma repetição de cio de 42 dias? Para chegar à resposta, basta multiplicar os 42 dias por R$ 7,76 (custo de cada DNP). Pronto: agora você sabe que somente esse evento retira R$ 325,92 do faturamento futuro da granja, além de ter o custo de manter esse animal no plantel sem estar produzindo.

O impacto econômico de cada evento, a partir do que se deixa de faturar com um DNP, é um bom norteador para gerar um plano de ação focado em reduzir dias não produtivos. Para decidir como executá-lo, é necessário avaliar o custo das ações de melhoria para obter a lucratividade – se uma determinada ação demandar mais investimento que outra, será a diferença entre o custo do DNP e o custo da melhoria que permitirá avaliar se essa ação deve ser priorizada. Então, mãos à obra!

E você? Mantém um controle rigoroso dos dias não produtivos de sua granja? Conheça o nosso curso online – Impacto dos dias não produtivos nos resultados da granja e aprenda a reduzir os desperdícios e aumentar a produtividade da granja sem nenhum investimento, apenas utilizando a gestão de forma eficaz. Clique aqui e conheça mais sobre o curso.

4 Comentários

  1. Confesso q fiquei chocado com as contas q vocês fizeram…saber q isso acontece diariamente dentro das granjas e nós tratamos como normais…Parabéns a vocês que buscaram estas informações e disponibilizaram na nova versão do programa uma ferramenta q irá nos ajudar a identificar e controlar melhor este “problema”.

    Responder
    • Olá Wagner, como vai?
      Talvez você se interesse pelo curso que preparamos para aprofundar esse tema, ensinando a reduzir os desperdícios e aumentar a produtividade da granja a partir da gestão dos dias não produtivos das matrizes. O nome do curso é “IMPACTO DOS DIAS NÃO PRODUTIVOS NOS RESULTADOS DA GRANJA” e você pode encontrá-lo na Academia Agriness, ou entrando em contato conosco pelo e-mail academia@agriness.com.

      Responder
  2. como vocês consideram os dias que as leitoas estão se preparando; normalmente do 150 a 210 dias com peso para cobertura. Algumas literaturas e especialistas no assunto citam que esses dias são responsáveis por 50% desses dias.
    Se as leitoas existem na granja, qual razão de não considerar.

    Responder
    • Olá, Julio!

      Em alguns casos as genéticas consideram este período de preparação como Dias Não Produtivos, porém há grandes diferenças entre granjas quanto à idade de ingresso das leitoas. Para conseguir avaliar as granjas dentro de um mesmo critério sem penalizar a granja, optamos por considerar a leitoa como ativa somente após a sua primeira cobertura. Isso facilita a comparação entre as granjas na medida em que permite uma comparação com um critério igual para todas.
      Além disso, consideramos que se há uma matriz em produção dentro da granja que ainda está ativa no plantel e a leitoa que vai substituí-la ainda não está pronta para ser coberta, esta leitoa não está em produção e por isso não gera dias não produtivos.
      Entretanto, ressaltamos que para ter uma maior efetividade na produção da granja e reduzir custos, é fundamental que o período de preparação tenha a maior qualidade possível para assegurar a produção futura destas fêmeas. Da mesma forma que as matrizes assim que retiradas da produção devem ser descartadas e substituídas imediatamente por uma leitoa.

      Estamos à disposição.
      Abraços,
      Equipe Agriness

      Responder

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *